Arquivo de maio, 2010

Necrópolis: 5 anos!

Posted in Bastidores, Divulgação, Ilustrações, Música, Novidades, Prévia, Universo Expandido NP on 20/05/2010 by douglasmct

O Mundo dos Mortos, mesmo, tem bem mais que isso.

Talvez um número incontável de anos. Mas a verdade é que, ainda em 2000, eu rascunhava ideias para um livro de Fantasia. Escrevi pelo menos 3 plots com tramas distintas, mas que não conseguia dar continuidade. A bizarria e toques de Terror é o que essas histórias tinham em comum. Quando achei a premissa – que surgiu do medo de perder meu irmão – juntei elas e fiz minha colcha de retalhos. Escrevi o que hoje considero um rascunho para Necrópolis, entre 19 de maio de 2005 até o meio de outubro, do mesmo ano – mês interessante este, também, que será o do lançamento do livro neste ano.

O Planador Escarlate -- ilustra de Leo Conceição

Comecei a ler com 3 anos e já redigia minhas histórias em quadrinhos, mas comecei a escrever, mesmo, aos 14, 15 anos. Participei de 3 Mapa Cultural Paulista e ganhei em dois deles – 2001 e 2003 – em 2005 recebi uma menção honrosa. Mas eram contos, outra estrutura, outra pegada – tão gostosa quanto. Romance mesmo, tive duas tentativas antes de NP, que depois eu engavetei (retomo quando tiver maturidade literária para explorar seus temas de forma mais interessante). NECRÓPOLIS nasceu em seguida e fluiu – não parei mais. Ainda no fim de 2005 e um bocado de 2006, criei o embrião dos demais cinco livros da série – e sei o caminho que tomar em cada um deles. Sei como a história termina. Mas o rumo de cada trama de cada livro, só durante a escrita. Dá mais tesão assim.

Quem acompanhou-me no Twitter hoje, e seguiu a tag #Necropolis5years deve ter lido as novidades, revelações e curiosidades a respeito da obra. Se não leu, tá esperando o que? ^^

Depois de leituras-críticas, NECRÓPOLIS foi reescrito. Inteiro, sem dó nem piedade. Entre fevereiro de 2007 e maio de 2008, inclusive. Ainda sim, passando na mão de um antigo editor – e de leitores-beta – o livro teve 3 capítulos extraídos (um vai se tornar conto spinoff e os outros dois estarão presentes no livro 2 e 3). O detalhe é: a trama é a mesma, a essência também. O desfecho, idem. Mas minha escrita e a forma como construí a narrativa – creio – evoluiu naturalmente nos anos seguintes, com novas leituras, novos contos – dando um recheio todo especial para NP. Agora a obra está passando pelo copidesque de Eric Novello – e esta será a versão que você lerá, publicado pela editora Draco.

Falando no Eric, aliás, o mesmo fez um post relatando mais a respeito do meu livro. Confira: http://migre.me/GuQM

NECRÓPOLIS terá Prefácio da renomada autora Helena Gomes, capa ilustrada pelo fantástico Victor Negreiro, orelha de um autor surpresa,  um novo booktrailer – além da Trilha Sonora oficial, feita pela querida Isis Fernandes. O lançamento está previsto para o Halloween 2010, mas até lá a ideia é a alimentar você, leitor, com outras novidades a respeito da obra! Assim que o livro estiver em pré-venda, também anunciaremos por aqui e no Twitter.

Sobre os Twitts de aniversário de NP, de hoje, prometo destrinchá-lo melhor em posts futuros, aqui no blog. Falarei sobre cada colaborador que tive nesta trajetória, sobre booktrailers, trilhas, ilustrações, capa, edição etc. Tudo ao seu tempo.

O livro faz aniversário, mas quem ganha é você, leitor! Para ti, de presente, a MÚSICA-TEMA do livro, a essência da obra musicada por Isis Fernandes, 100% para baixar. Ouça, aprecie e depois deixe seu comentário aqui.

Parabéns, NECRÓPOLIS! Obrigado, a você que me lê! ^^

Aí está – só baixar: http://www.megaupload.com/?d=Z84A2OXB

Abraço!

INSIGHT #001: A Morte, o Torque e a Sorte

Posted in Bastidores, Insight, Novidades on 05/05/2010 by douglasmct

Segundo o tio Michaelis, Insight é o poder de discernirmos e compreendermos as coisas. É o conhecimento intuitivo repentino para a solução de um problema. Não há explicação melhor. Mas eu gosto de chamar de “ideia instantânea”. Rápida como miojo. Melhor ainda é se ela vem e fica.

No antigo blog de NECRÓPOLIS esta seção era chamada de “Devaneios da Madrugada” e geralmente era escrita após as 03h da… madruga. Hora simbólica e inspiradora. Aqui, com seu frescor de novidade, a seção será chamada simplesmente de Insight. Tenho o objetivo de divagar assuntos diversos, mas sempre de alguma forma relacionados a obra e também a outros trabalhos que realizo em paralelo. Outras seções são auto-explicativas (basta clicar em cada para saber qual é, ainda assim).

Pois bem, este mês – especificamente dia 25 – NECRÓPOLIS fará 5 anos, desde seu primeiro rascunho. Preciso aprontar algo para o aniversário, não é? Quem tiver sugestões, os comentários estão aí para isso. ^^ Aliás, falando no rascunho, a série teve uma longa jornada até sua publicação – e sim, eu corro o risco de me repetir neste tema outras vezes, porém destrinchando de forma distinta. Passou por editoras e Editoras, teve algumas leituras-críticas, colaboradores que se tornaram amigos e amigos que se tornaram colaboradores. Teve quem sempre apostou e quem torceu contra (onde é que não tem o Olho Gordo, né?) e teve quem simplesmente não acreditou, achando isso ser um sonho impossível, ou algo do tipo.

Este tal rascunho – os primeiros esboços do que foram NP, escritos de maio a outubro de 2005, passaram não só por mudanças (algumas radicais, outras mantidas porém alteradas em seu favor), como também para um processo de evolução, que atingiu seu ápice há 2 sábados, depois que passei por uma experiência de vida inesquecível, reveladora e decisiva – ao qual, inclusive, pretendo postar futuramente por aqui, compartilhando com todos. Deu um sentido extra e todo especial para a saga.

NECRÓPOLIS é uma obra de Fantasia que trata do valor da irmandade, em mais de um sentido. Que trata do medo. De alguém que perdeu outra próxima e luta para tê-la de volta. Meio demente isso? Talvez. Mas foi a premissa de uma série que não tem valor apenas profissional, mas também sentimental e significativo em minha vida. A publicação é o final de uma jornada e início de outra. Os originais do livro, mesmo presos em duas editoras entre 2008 e 2009, chegaram até o conhecimento do meu atual editor, Erick, sabe-se-lá como ou por quem, mas que viu um potencial na obra, teve interesse e apostou na investida. Me convidou e eu, com um orgulho que até hoje não sei bem expressar, aceitei. A Draco – da qual farei um post decente em breve – está se expandindo no mercado literário de forma assustadora, com uma proposta inteligente, honesta e promissora. O orgulho e a satisfação são todos meus, sem puxa-saquismo (se você me conhece, sabe que não sou do perfil). Ser um autor da Casta dos Paladinos do Dragão é uma honra eterna.

A visão que a editora tem de NP e os planos futuros que a mesma já me propôs do mesmo são fantásticos – porém os guardarei para o momento certo. Um passo de cada vez. Levei 5 anos – sem nenhuma pressa, aliás – para publicar o livro, então sei que posso esperar mais um bocado para revelações do tipo. A sua espera também vai compensar, acredite. ^^

Se você é leitor do antigo blog, deve se lembrar do Mapa que fiz deste universo sombrio. Pois então, ele será revisto, reinventado e redesenhado, por alguém que demanda mais competência no traçado.

E, ainda de 2007, lembra-se das ideias primárias da capa para o livro? Seus esboços já foram feitos e o artista escolhido para desenvolvê-la é simplesmente espetacular, de talento nato! Um primor. A capa está em andamento e a revelaremos no momento certo. Pode aguardar.

Booktrailers e Trilha Sonora, também não me esqueci deles. Ganharão um post, cada. É merecido e demanda toda uma atenção especial. Há novidades e uma dose de saudosismo para eles, inclusive.

Mas admito que este post revelou todos esses pedacinhos de novidades de NECRÓPOLIS apenas para chegar a este final. Onde quero agradecer, inicialmente, há algumas pessoas, que unidas em força, amizade e colaboração, foram responsáveis para o desfecho de uma jornada: a publicação do livro. Então, obrigado Mari, Lari, Lobo, Gabi, Catena, Tereza, Wil, Flavinha, Gian, Leo, Isis, Alicia, Toninho, Denis, Cello, Victor, Eric, Erick, Márcio, a memória dos meus falecidos avós e do meu amado – e muito vivo! – irmãozinho Danilo. E a você, T. – que descobri mais importante do que jamais soube, em tudo. Também há uma ou outra Ninfa que inspirou de lá pra cá. Obrigado, vocês foram e são o meu motor!

Outros agradecimentos farei questão de constar na obra, junto destes. É merecido. E livro é aquela coisa: algo pessoal, escrito em momentos de intimidade, solidão. Mas, para chegar onde cheguei, tive algo além de apoio das pessoas citadas acima. E agora tenho você, leitor, tão especial quanto. Uma jornada se findou para outra se iniciar. Acompanhe aqui comigo este novo trajeto da publicação até os outros volumes, para novas histórias, novos projetos. Caminhe comigo neste épico… que é viver.

Obrigado e até o próximo post. 🙂